Séries:

Crítica | A surpreendente The OA da Netflix

Que o grande hit de 2016 na Netflix foi a série Stranger Things poucos questionam. Agora, estranho mesmo foi o serviço de streaming ter escondido para o fim de ano a estreia de outra produção original com uma temática tão incomum e curiosa quanto essa de The OA (veja o trailer). A série entrou no catálogo no dia 16 de dezembro e mesmo tendo visto apenas o primeiro de seus oito episódios, me sinto obrigado a dizer que se a primeira impressão é realmente a que fica, ela foi sem dúvida das mais positivas.

Criada pela atriz Brit Marling (que escreveu o roteiro de cinco episódios e faz a protagonista da série), The OA começa como se fosse um desses muitos thrillers envolvendo o retorno de alguém que estava desaparecido. O tom, contudo, do que poderia ser um simples mistério girando em torno de uma investigação policial na linha “o que aconteceu e onde ela estava?” logo passa a sugerir conceitos que claramente flertam com elementos sci fi e de cunho filosófico/existencial bem na linha do que a saudosa Fringe (só pra ficar num bom exemplo), chegou a explorar em alguns momentos.  

Se os temas da série ficarão limitados a isso (espero que não), só os sete episódios restantes revelarão, mas mesmo que no fim das contas o mistério em torno da protagonista seja explicado como um distúrbio psicológico qualquer que a faça ter devaneios em função de um trauma, essa introdução de The OA é interessante o bastante para justificar sua abordagem pouco convencional. Sobre isso, aliás, não parece à toa que o primeiro episódio guarde um pequeno, mas impactante plot twist pro final que, estranhamente, serve também como crédito de abertura da série. E se há algo mais fora da caixinha que isso eu desconheço.

Davi Garcia
é administrador, cinéfilo, viciado em séries desde a estreia de The X Files, colecionador entusiasta do formato Blu-ray. Fundador dos lendários blogs Dude, We Are Lost! e DudeNews.
http://twitter.com/dav1garcia

Categorias: Críticas, Séries/TV, The OA

Postado em: 21/12/2016 | 13:00

  • Marcos Medeiros

    Não entendi o motivo de fazer crítica de uma temporada inteira, que já está disponível na NETFLIX, usando apenas o primeiro episódio.

    Se tá tudo disponível, assiste tudo e vem fazer uma crítica bem embasada, sem achismos. Muito melhor!

  • Davi, terminei de assistir a temporada ontem. Descobri o sentado buscando algo para ver depois de Expanse.
    Como comentaram, assista toda a temporada e venha comentar novamente.
    Eu gostei, mas aguardarei uma segunda temporada pois me rolou uma decepção com o suposto final e conclusão.

  • Davi Garcia

    Farei isso, Pedro. A ideia desse texto especificamente foi mais a de dividir qual foi a minha primeira impressão da série. Valeu!

  • Tatiana Rocha de Souza

    Opa, a comparação, mesmo que de leve, com Fringe, já me fez querer assistir. Além do que, amo sci fi.

  • Olha, acho que vai rolar u,a tristeza. Sem spoilers :P
    Eu fiquei meio decepcionado com o encerramento da temporada, espero que a Netflix traga outra.
    Como você disse a série começou de uma maneira muito interessante, mas no final me pareceu existir uma preguiça.
    Fico na espera da segunda temporada e da sua análise completa.
    E muito feliz de vocês terem percebido The OA, por que ninguém mais que comentei teve interesse na série. :'( ;)

  • Camila

    Davi, assisti essa série toda já e, confesso, alguns episódios eu assisti de pirraça só pra acabar logo porque estava ficando chato já. Mas quando cheguei no final e compreendi tudo e vi que pela primeira vez uma série não foi previsível para mim (vejo séries demais e muitas vezes já sei o que vai acontecer) eu fiquei satisfeita. Dá muita raiva… mas espero ansiosa pela segunda temporada.

  • Willame De Paula

    A série tem até uma boa premissa, mas as vezes chega a ser enfadonha e com momentos desnecessários e a verdade é que não me lembrou em nada Fringe, nem de leve.

  • Roblys Rodrigues

    Também tive essa impressão Pedro. Ficou uma dúvida se é realmente algo transcendental ou paranóico!

  • Roblys Rodrigues

    Faltou um pouco de dinâmica. As cenas às vezes demoravam intercalar… ficava presa a cenas desnecessarias, que não agregava muito à trama. Tive essa impressão também. Mas, o que tem de interessante foi causar uma curiosidade fora do comum em saber como os fatos se encaixavam.

  • vinland

    Achei que ela começou morna, empolgou a partir do episodio 3, e ai quando chegou no 7 descambou tudo. Eu sinceramente nao volto pra uma 2 temporada se tiver.

  • Hilton Silva

    Desculpa a pergunta… mas qual os melhores filmes sci fi que você já assistiu?

  • Filipe Marcolino

    eu acho que el nao quis passar spooler

  • Daniel Andrade

    Gostei da serie e fiquei PUTO, pq eu queria ver se eles iriam conseguir mandar ela pro homer ou não ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh NETFLIX, não faz isso comigo =] que venha a segunda temporada =]

  • MapsFood Brasil

    Acabei de assistir toda a temporada, quero parabenizar a autora e produtora. Excelente série, sem dúvida muito boa, nós seres humanos estamos presos ao que conhecemos, mas esse mundo tem muitas coisas a serem reveladas, é apenas uma questão de tempo..Nota 1000

  • marcos

    Fiz a mesma coisa! Expande e depois the OA.

  • Joao

    The OA, a maior decepção de 2016!

  • Elisangela Silvério

    To nessa Vibe ai….Não sei se volto, uma série ralentada e muita das vezes com cenas desconexas que não se intercalavam, pareciam que estavam com preguiça no roteiro e fizeram cenas soltas. O final mega confuso, salvo pela empatia final dos 5 no final fazendo a dancinha Bizarra.

  • Pati Vilaka

    O primeiro episódio, prendeu minha atenção de tal forma, que assisti todos os episódios em um dia só.
    O final não me decepcionou mas também não me satisfez… sabe aquela sensação de “ué… mas já acabou?”
    A conclusão que posso tirar sobre a primeira temporada é, existe algo de espiritual, científico e paranóico mas, não dá para fechar nenhuma ideia a respeito do tema, pois algumas perguntas precisam ser respondidas. Aguardando a segunda temporada para definir o que penso sobre.

  • Felipe Figueiredo

    Estou na metade do quarto episódio e para mim a série ainda não convenceu. Achei tudo muito fraco. Elenco, história, roteiro e até as reflexões. Vamos ver até o final se algo muda/melhora.

  • Millena Raphaela

    eu assisti ela toda e ainda to tipo WTF? se alguem por gentileza quiser tentar resumir essa serie pra mim entender ela melhor talvez eu agradeço, sou lerda ;(

  • bruna

    Eu tbm não entendi o final :( vi ela inteira hoje

  • Alvaro C. C. Quilião

    Um samba do espírita/cosmos doido.

    Uma viajem sem fim, que
    culminou na maior vergonha alheia quando os “anjos” fazem a dancinha da
    cura ou mais provável quando desce a pomba gira, hehehe, só faltou o
    charuto e a batucada!

    Bota lixo, perdi 8 horas da minha preciosa vida com esse abacaxi sem tamanho!

  • Mayara

    Pelo contrário. Acho que a série mantém o mesmo ritmo ao longo de seus oito episódios! A série se trata mais de ponto de vistas, fé ou ceticismo, espero que a série seja renovada pela nossa querida Netflix, temos muitas perguntas a serem respondidas,…

  • Eleven

    likefull

  • Ariel Andrade

    Fringe esta anos luz a frente dessa série bem meia boca que se arrasta por oito episódios. A premissa da série é interessante mas o desenrolar é péssimo. Estou rindo até agora da “dança dos famosos”.

  • Ricardo Rinaldo

    eu assisti todos os epsodios da Temp 01 !!!!!!!!!!!!!! realmente, sem palavras pra dizer como é foi bom. O final entao, no coments

  • Caio

    Bom, acho que tem várias interpretações, mas a minha foi de que no momento que eles realizam os movimentos, é criado um novo espaço tempo e nessa dimensão os alunos não foram mortos, o desastre foi evitado. Se vcs lembrarem dá conversa entre os dois médicos, o médico explica bem a teoria. Ele estava descobrindo que as pessoas que voltavam a vida conseguiam provocar mudancas de dimensões. E acho que os livros foram plantados pelo agente do FBI.
    Foi assim que eu entendi