Séries:

Crítica | Powerless desperdiça potencial com piloto fraco e pouco inspirado

O que acontece com os populares que precisam viver no meio de heróis famosos e que vivem em constante batalha? Essa é a genial premissa de Powerless, série que de uma certa forma expande a presença da DC na TV, ao mesmo tempo em que funciona como sátira. Aqui, Emily Locke (Vanessa Hudgens) é uma recém-chegada gerente à empresa “Wayne Security” que precisa colocar uma equipe de engenheiros para desenvolver novos produtos capazes de mitigar os efeitos colaterais de viver num mundo de poderosos.

Mas o que tinha tudo para ser uma das comédias de ambiente de trabalho mais interessantes desde o fim de The OfficeParks and Recreation, virou uma série dispersa, repetitiva e sequer moderadamente divertida. O roteiro deJustin Halpern (S#!t My Dad Says) e Patrick Schumacher (Surviving Jack) limita-se a tentar inserir o máximo de referências óbvias ao universo DC por minuto, o que já fica batido já no segundo bloco. O elenco, a começar pela protagonista pouco carismática vivida por Hudgens, é apático e pouco entrosado. O chefe interpretado por Alan Tudyk soa constantemente antipático, enquanto o comediante Ron Funches está pelo menos dois tons acima do restante o tempo inteiro. Já Danny Pudi, o Abed de Community, continua interpretando o Abed de Community.

É até difícil entender como conseguiram extrair uma comédia tão fraca a partir de uma concepção tão boa. Pra piorar, a série ainda trouxe os piores efeitos visuais que vi na TV nos últimos 10 anos na cena inicial com a batalha entre dois “poderosos”. Até mesmo a inspirada abertura – com as capas de quadrinhos trazendo como destaque os transeuntes em segundo plano – é prejudicada por uma trilha muito mais sóbria do que a própria série.

Há, claro, chances dessa comédia melhorar considerando o material-base com que estão trabalhando, mas este episódio piloto evoca somente o potencial desperdiçado pelos realizadores. O piloto passou por diversas refilmagens e mudanças (originalmente eles trabalhariam numa companhia de seguros) e talvez esse desalinho seja temporário. No entanto, o produto levado ao ar ainda ficou bem bruto e precisa ser melhor polido.

Powerless chegará ao Brasil pela Warner a partir de 12 de março às 23h.

Bruno Carvalho
é crítico e especialista em TV, tradutor, advogado e fã de séries desde que foi fisgado por Friends em 1994 e hoje é o editor-chefe do site de séries mais seguido do Brasil! Contato: [email protected]
http://twitter.com/ligadoemserie

Categorias: Críticas, Powerless

Postado em: 04/02/2017 | 17:34

  • Junior

    Eu não ri em nenhum momento do episódio.. nem um “rs”.

  • cara essa série é uma comédia porque assisti os 2 primeiros de uma vez e que serie chata da mulesta