Séries:

Crítica | Santa Clarita Diet, uma deliciosa comédia zumbi com muito gore

Não imaginava que eu iria devorar Santa Clarita Diet com tanta rapidez. Terminei a primeira temporada da série em pouco mais de dois dias tão logo a Netflix disponibilizou os episódios para avaliação. Sheila (Drew Barrymore) e Joel (Timothy Olyphant) são dois corretores de imóveis casados e com uma vida pacata no subúrbio de Los Angeles. Pais de uma filha adolescente, suas maiores preocupações são as constantes brigas de seus dois vizinhos policiais e lidar com o tédio do trabalho na imobiliária.

Mas a vida da família muda quando a matriarca começa a exibir sintomas graves de “mortovivismo“. Sim, ela se transforma em uma zumbi que só consegue se alimentar de carne humana e, pra isso, precisa virar uma serial killer. Apesar da premissa absurda, o grande chamariz de Santa Clarita Diet é a forma blasé com que trata as situações – do canibalismo ao ocultimo -, culminando numa hilariante comédia de erros.

No cerne de tudo duas grandes atuações: Barrymore e Olyphant surpreendem em momentos inspiradíssimos de suas carreiras e exibem uma química invejável ao longo dos 10 episódios que compõem a primeira temporada. Este último, inclusive, se mostra como uma grande revelação cômica e pode, inclusive, abocanhar prêmios.

Santa Clarita Diet ainda avança em passos largos em sua trama, jamais soando estagnada ou parada. Pelo contrário, em alguns momentos e em determinadas situações (não vou estragar a surpresa), me perguntei como o roteiro de Victor Fresco (Better Off Ted) iria sair ou contornar alguns sérios “entraves”, saindo-se muito bem em todos eles. Repleta de gore com cenas alucinantes (em especial uma envolvendo o ator Nathan Fillion, de Castle), a comédia acaba se saindo como uma mistura bem-sucedida de DexterWeeds com toques do humor-negro e morbidez de Six Feet Under (não assista a essa série comendo).

Levemente prejudicada apenas por um ato final anti-climático e cujo ritmo frenético é inadvertidamente quebrado, Santa Clarita Diet é uma série descompromissada, mas deveras eficiente em sua proposta de entreter com o inusitado. A estreia está marcada para esta sexta, 3 de fevereiro na Netflix.

Bruno Carvalho
é crítico e especialista em TV, tradutor, advogado e fã de séries desde que foi fisgado por Friends em 1994 e hoje é o editor-chefe do site de séries mais seguido do Brasil! Contato: contato@ligadoemserie.com.br
http://twitter.com/ligadoemserie

Postado em: 02/02/2017 | 23:15

  • xtrmntr28

    vou assistir. (fazia tempo q não lia a palavra “deveras”.)

  • Adorei o Otaviano Costa deles 😁

  • Gabriel Loiola

    foi exatamente o que pensei huehuehu

  • Marcos Maia

    A comédia em si é muito boa, mas a cena do homem em pedaços é tenebrosa!

  • Adolfo Brás Sunderhus Filho

    Seriado interessante, até o último episódio, que no ritmo lento e completamente fora do tom em relação aos episódios anteriores, simplesmente frustra a todos nós.

  • Paulo André

    O Timothy Olyphant matou a pau, carregou a série nas costas