Séries:

Falei com Carrie-Anne Moss sobre inteligência artificial na série Humans!

Gente, eu falei com a Trinity! Pra quem cresceu assistindo e reassistindo a trilogia Matrix poder falar com uma atriz tão icônica do universo pop foi um presente enorme que o pessoal do canal AMC me deu. A pauta era sobre a 2ª temporada da série Humans, na qual a canadense interpreta a personagem Dr. Athena Morrow, uma das maiores especialistas em Inteligência Artificial do mundo. Eu também havia acabado de assistir à performance dela em Punho de Ferro, onde sua personagem Jeri Hogarth tem especial destaque.

Em Humans, cuja 2ª temporada está em exibição todos os domingos às 22h, o mundo vive num presente paralelo explorando o que acontece quando a fronteira entre humanos e máquinas se confunde. A temporada atual, de oito episódios, retoma a narrativa vários meses após os eventos que vimos na primeira, com Niska (Emily Berrington) ainda em liberdade e em poder do código da consciência. Mia (Gemma Chan), Leo (Colin Morgan) e Max (Ivanno Jeremiah) – sua família synth – não sabem onde ela está e tentam encontrar seu lugar no mundo enquanto Joe (Tom Goodman-Hill) e Laura (Katherine Parkinson) tentam consertar seu casamento.

Comecei o papo perguntando à Moss o que a atraiu nessa série:

Quando me chamaram eu não conhecia a série, aí fui atrás dos episódios da primeira temporada e adorei. Foi um projeto muito fácil de dizer sim. É um tópico muito interessante e extremamente relevante, especialmente na forma com que o assunto é abordado [na série]. E tem também o aspecto britânico de trabalhar, que é bem legal.

Intrigado, perguntei ela sobre quais são as diferenças entre filmar nos EUA e no Reino Unido, especialmente porque ela havia acabado de finalizar sua participação em uma produção Marvel. Pra minha surpresa, ela revelou:

“Tudo numa série britânica é diferente, desde a forma de concepção, a estrutura e até a forma de gravar. Quando comecei a gravar Humans uma atriz virou pra mim e disse que teríamos mais três horas e aí eu a interpelei: ‘como você sabe isso? Nos EUA a gente nunca sabe que horas vai terminar’ e pra minha surpresa ela disse que a gente sempre termina quando dá 6 da tarde. É muito civilizado!”

Enquanto ela respondia, estava eu formulando a minha próxima pergunta e me toquei que Humans bem podia ser uma espécie de prequel de Matrix, sendo o tema Inteligência Artificial muito proeminente na carreira da Carrie (3 filmes e agora 1 série). Quis saber, então, o que ela acha disso:

“Eu sou mais tradicional. Parte de mim gostaria de voltar para um tempo onde tudo era mais simples. É claro que existem vários aspectos da tecnologia que são positivos e que tornaram a nossa vida mais fácil, mas também existem coisas que não são tão legais. Eu tenho um certo receio do caminho que estamos tomando… A gente precisa ficar atento nas mudanças e continuarmos fieis com nós mesmos, porque é muito fácil perder a noção do nosso posicionamento sobre certas coisas, influenciados por pessoas e empresas que estão controlando a tecnologia.”

E se a gente tivesse um desses sintéticos em casa? Quis saber se a atriz se sentiria confortável vivendo ou trabalhando perto deles:

“Não mesmo! Mesmo quando a gente estava fazendo a série e os sintéticos são muito bem treinados pela nossa coreógrafa para agir como um robô e só isso me dava uma sensação ruim. Me lembrou dos smartphones, que nos dizem como chegar em tal lugar, onde comer, filmam a gente o tempo todo… Então me dá uma sensação de tristeza ter todas essas ‘entidades’ com inteligência artificial ali prontas para nos servir. É um peso. Eu não conseguiria olhar pra isso como a minha personagem [Dra. Athena] olha pra eles. Eles são máquinas, né? Mas a minha humanidade não me permitira sequer ser desrespeitoso com um sintético, pois eles são um reflexo do ser-humano.”

E ela completou:

“Pra mim esse é o tema principal de Humans, ver até que ponto a moralidade ou a falta dela nos compromete como espécie, como ser-humano. O fato dos sintéticos não serem pessoas reais é perturbador, pois eles parecem pessoas reais. Pra mim a série é um reflexo da sociedade atual mais do que tudo.”

Humans é exibida todos os domingos às 22h no canal AMC. Assista ao trailer da 2ª temporada:

Bruno Carvalho
é crítico e especialista em TV, tradutor, advogado e fã de séries desde que foi fisgado por Friends em 1994 e hoje é o editor-chefe do site de séries mais seguido do Brasil! Contato: [email protected]
http://twitter.com/ligadoemserie

Categorias: Entrevistas, Humans

Postado em: 03/02/2017 | 12:34