FOTO: REPRODUçãO

Por: Davi Garcia

Um balanço da decepcionante sétima temporada de Dexter

Perto do fim, protagonista da série vira uma sombra ainda mais triste do que já foi

Dexter Temp7Surprise, Motherfucker!” A frase serviu de título para o final da temporada de Dexter, mas talvez fizesse mais sentido se fosse dita pelos roteiristas da série (num tom absolutamente cruel e debochado) para os fãs que, assim como eu, ainda mantinham a (vã) esperança de que a produção pudesse apagar pelo menos um pouco da péssima impressão construída ao longo de uma temporada marcada por furos absurdos e principalmente pela desconstrução de seu outrora complexo e carismático protagonista. 

Dexter Temp7 Ep712

Afinal, se existe uma verdade praticamente irrefutável a essa altura, é a de que o Dexter que abandonou o “código” e terminou a temporada abraçado à ideia de que matar um inocente era algo aceitável, virou apenas uma sombra apagada daquele personagem inteligente, intenso e interessante dos primeiros anos da série. Uma crítica, aliás, que ganhou um reflexo ainda maior por conta da frustrante decisão dos roteiristas comandados por Manny Coto de ignorar aspectos que sempre foram sagrados na produção. Dessa forma, ao colocarem Dexter disposto a matar LaGuerta, eles jogaram no lixo uma regra que o próprio protagonista da série seguiu na 3ª temporada (lembram que ele só matou Miguel Prado porque este iria justamente matar LaGuerta, uma inocente, que àquela altura suspeitava das atividades extra curriculares do promotor?), o que mais uma vez reforça o quão equivocado este sétimo ano foi (tirando, talvez, apenas a curiosa relação que se estabeleceu entre Dexter e Isaak Sirko) apesar de ter começado com a perspectiva de redimir a série das escorregadas dos anos 5 e 6 que já vinham minando tudo o que ela tinha de bom. Nesse contexto, e só para citar alguns dos buracos, a meu ver imperdoáveis, eis uma pequena relação de situações esdrúxulas que foram ganhando forma ao longo dos 12 episódios e que ficaram ainda mais evidentes neste decepcionante season finale:

Dexter blood splatter

– Como é possível comprar a ideia de que Dexter tenha simplesmente aceitado, depois de uma conversa de, sei lá, 5 minutos com Hannah, que o tal dark passanger que moveu suas ações (justificando-as até certo ponto) ao longo de 30 e tantos anos não passava de um artifício fantasioso usado como uma ‘desculpa perfeita’? Aliás, por que Dexter se envolveu com a loira, ela própria uma assassina, mesmo depois de todas as experiências negativas experimentadas com figuras tão doentes e emocionalmente afetadas (em graus distintos, é verdade) quanto Lila e a própria Lumen é outro mistério…

– E a Debra, hein? De apaixonada(!) pelo irmão a cúmplice dele (já no início da temporada quando não toma nenhuma ação depois de descobrir seus segredos e por fim quando mata para protegê-lo), o que vimos foi uma personagem sem identidade e que se diminui perdendo muito daquela personalidade forte que sempre a marcou mesmo quando consideramos seu embate com Hannah.

– Tudo bem que a LaGuerta nunca foi uma personagem com histórico de estabilidade emocional ao longo da série, mas o motivo da personagem ter  esperado 5 anos para sucumbir à obsessão de inocentar Doakes (com quem ela mantinha um relacionamento que só ficou evidente agora através de flashbacks expositivos) e incriminar Dexter (por quem ela tinha até uma certa queda na 1ª temporada , lembram?) a todo custo é algo que eu simplesmente não consegui entender/aceitar.

– Outros pontos que merecem menção negativa: [1] a impressionante facilidade que Dexter (e outros personagens também) tiveram ao longo dessa temporada para entrar e sair de locais supostamente bem vigiados sem jamais ser flagrado por câmeras ou qualquer outra pessoa (vide o aeroporto; marina, parques e, por último, o cais para onde o protagonista leva Estrada duas vezes e atrai LaGuerta). [2] E que tal os arremedos de histórias para Angel e Quinn ou os constantes esquecimentos dos roteiristas de que Dexter tinha um filho de 4 anos? Vide o que fizeram, por exemplo, nesse finale quando todos, incluindo Jamie, a babá de Harrison, estão na festa do Angel… Onde e com quem estava o garoto? Pois é. Aliás, por falar na festa, que tal o lamentável descuido da equipe da série mostrando Debra retornando ao evento vestindo a mesma roupa impecável que momentos antes usava ao abraçar a baleada e ensanguentada LaGuerta?

Ao fim desse “Surprise, Motherfucker!”, Dexter pergunta se o “grande” evento do episódio significaria um novo início ou o início do fim. Uma pergunta que seria até legítima, mas que perde importância frente a verdadeira pergunta que o personagem de Michael C. Hall deveria fazer: com que requintes de crueldade devo punir os responsáveis por terem assassinado a minha série?

2star

28 respostas para “Um balanço da decepcionante sétima temporada de Dexter”

  1. Ismael disse:

    Ma festa… se não me engano a babá diz pra Debra que deixou o guri dormindo nos fundos do restaurante.

    Achei a temporada meia-boca, mas nem tão ruim. Os “flashbacks” com o Doakes ficaram forçados mesmo.

    Quanto a se convencer com a Loira assassina.. tem que dar um desconto porque ela é linda demais, a única justificativa para Chuck ter durado mais que uma temporada. Que sorriso.

    Tomara que ela continue mesmo na próxima temporada e arranjem logo um outro show pra ela embelezar.

  2. Igorvi disse:

    Concordo completamente com vc amigo David.

    PS: Filho do Dexter tá dormindo nos fundos do bar.

  3. Fernando Macedo disse:

    Comparando com a sexta, a sétima foi mil vezes melhor.

    E toda vez que falam que tal personagem foi desconstruído, eu dou um cochilinho por dentro. Ou é preguiça de assistir, ou é necessidade crônica de falar mal de determinados seriados. Em sete temporadas a vida do Dexter girou 180º: ele agora tem um filho, a irmã dele (que sempre foi a quem ele mostrou traços de sentimento desde sempre) poderia se ferrar caso ele fosse preso, todo mundo muda, a situação da LaGuerta era muito mais do que o código, era um fight or flight. E ele deixou bem claro que não teria como fugir sem estragar a vida de todo mundo. Achei bem condizente com a evolução que os rumos que a série levou.

  4. Francisco de Oliveira disse:

    Concordo com você. Dexter caiu em mãos erradas.
    Só acho que a tal obsessão da LaGuerta adormecer por 5 anos é porque só agora ela encontrou uma evidência de que o açougueiro continuava vivo. E a decisão de matá-la é mais uma situação de “ou ela ou eu (e Deb)” que de pensar em código.
    O que me intrigava nesta temporada era a quantidade de ventiladores de teto rodando sobre as cabeças de alguns personagens em vários momentos. Talvez tenha sido uma forma de marcar assassinos.
    Enfim… no geral, não achei a temporada tão ruim, mas achei pior que a sexta e melhorzinha que a quinta.

  5. Luana Oliveira disse:

    Sou mais uma a concordar: Dexter perdeu a graça faz tempo.

  6. Jhow disse:

    Achei bem melhor do que a 6ª temporada! E tbm acho q as pessoas mudam com o passar dos anos. (Clichê! rs) Não vejo problema em ele querer adaptar o código ou o comportamento dele conforme os acontecimentos ao redor dele. Como já disseram por aqui, achei condizente com o rumo que a série tomou. Ou vcs realmente queriam uma temporada identica à outra, com ele só matando e cagando para o que acontece ao redor, sem questionamento do código que ele seguia há anos e etc?

    Só achei MUITO desnecessário terem desenterrado a história da Deb amar o Dex mais do q como irmão. Podiam ter esquecido essa história lá na 6ª temporada, pfv. Ela é irmã dele, isso já basta para “”justificar”” tudo o q ela tem feito por ele.

  7. Jhow disse:

    Ah, Yvone esteve ótima a temporada toda. Ótima escolha! E pelo jeito acho que retorna na próxima temporada…

    E outra coisa que esqueci de comentar: a histórinha do Quinn com a stripper não acrescentou nada à série. De longe, a parte mais chata e desnecessária da temporada.

  8. Fabiano disse:

    Ótima crítica. Muito bom ver uma análise consciente da decadente e cada vez mais absurda Dexter, diferente daquela babação cega que se vê na maioria dos sites de fanboys por aí.

  9. Felipe disse:

    Concordo com algumas coisas… Os enredos parecem muito parecidos nas temporadas, ainda que esse com os ucranianos tenha sido um pouco diferente, mas ele acabou num piscar de olhos, o que pra mim foi frustrante!

    Quanto ao Dexter, acredito que ele não tenha mudado tanto, não. Nem evoluído.

    “Nós” esquecemos que a primeira regra do Código dele é: “NÃO SER PEGO”. Quando ele conseguia manter a “vida falsa” (colegas de trabalho, Rita, crianças etc) dele afastada da “vida real” (ser um assassino), ele conseguia ser o assassino frio e calculista que praticamente não cometia erros. Porém, o cerco se fechou: ele tem um filho, a irmã sabe o que ele é e havia mais uma vez a possibilidade de ser pego. Dexter matava apenas assassinos quando tinha o controle da situação, assim que o perdeu a primeira regra falou mais alto e ele fez e faz o que é necessário para “não descumpri-la”.

    Quero ver como vão explorar um furo que foi deixado. Explico: Debra ligou para a central e conseguiu a localização do carro de Laguerta no momento exato. Debra foi para o mesmo lugar onde Laguerta estava, ok. Quando se derem conta de que Laguerta sumiu (os irmãos devem ter se livrado do corpo dela) o mínimo que se espera é que investiguem seus últimos passos e vão descobrir que Debra e Laguerta estiveram no mesmo lugar na noite do sumiço. Espero que não me venham com uma explicação pífia.

    Continuo gostando do Dexter. Na maioria dos filmes e séries os vilões são os mais legais e o Dexter pra mim sempre foi o maior vilão da história.

    Senti um pouco de falta dos momentos em que ele mata suas vítimas nessa temporada… Pra mim são os momentos mais angustiantes da série, pois estes momentos são os que ele está mais exposto… Tem uma cena na temporada em que ele faz parceria com a Lumen que foi uma das de maior suspense pra mim… Aquela em que os dois se preparam para matar uma das vítimas e Debra e Quinn estão prestes a entrar na casa em que pensamos estar sendo realizado o homicídio.

    PS: Na cena da festa de fim de ano a Jamie fala para a Debra que o Harison estava tão cansado que ela deixou ele dormindo em uma sala nos undos do restaurante. Não que isso tenha uma grande relevância na história, mas vc apontou como furo o que não aconteceu.

  10. Flavio disse:

    Decepcionante? Você deve estar louco. Uma das melhores temporadas da série.

  11. Thiago Chaves disse:

    PERFEITO o seu balanço sobre essa terrível temporada!

    Vale destacar mais uma coisa absurda. A LaGuerta achando aquela lâmina na “cena do crime da igreja” no início da temporada. Ela, JAMAIS enfiaria a mão na sujeira daquela forma. Até porque o objeto estava em um buraco e escondido.

    Sem falar nas provas que ligavam ao Dexter, surgidas do nada. Tenha dó.

    E perfeita a sua finalização do texto: “Com que requintes de crueldade devo (Dexter) punir os responsáveis por terem assassinado a minha série?”

  12. Thiago Chaves disse:

    Lembrando também que, teve um episódio com o nome “The Dark Whatever”. Foi exatamente isso, eles fizeram qualquer coisa com a série!

  13. The Boss disse:

    Jamie explicou muito bem porque Harrison não estava na cena da festa: estava dormindo em uma sala dos fundos. Um erro como esse só mostra mais um enfezadinho que quer seus minutos de glória ao criticar uma série de sucesso. Já que é tão bom em encontrar as lacunas do enredo, deveria colocar suas ideias no papel e enviar para o Showtime. O emprego seria seu na hora.

  14. Juca disse:

    Decepcionante? Só se for pra ti! Acho que tu devia checar antes de fazer constatações absurdas assim.

  15. Laís Menini disse:

    galera, o Harrisson tava no quarto ao lado, a Jamie falou que ele estava dormindo… e nada me tira da cabeça que a Hannah vem pegá-lo.

  16. Pereirão disse:

    Concordo com o autor. Essa temporada capengou durante onze episódios e despencou no último. Na minha opinião, a série vem ladeira abaixo desde o momento que a Debra flagrou o Dexter matando o Travis.

  17. Quéroul disse:

    eu achei que essa temporada foi boa, me deixou empolgada com a série, que eu amo-odeio desde o começo por conta do excesso de ‘mexicanização’ e das gravíssimas escorregadas de roteiro. mas, obviamente, o episódio final foi uma palhaçada, ainda mais se comparado ao lindo episódio anterior. eu consigo aceitar um monte de coisa em Dexter por causa dos atores, mas assisto reclamando o tempo inteiro.
    enfim, vou assistir até acabar, e espero que acabe logo. eles não vão aumentar pra mil temporadas não, né? tá prevista pra oitava ser a final, diz que sim???

    beijo, Deivi. sempre me lembro com carinho de você e de nossos tempos falando sobre lostinho. :)

  18. RAfael disse:

    SAI DAI MEU q absurdo o q tu ta falando! só da laguerta por exemplo QUEM SABE NAO FOI PQ ELA AXO A LAMINA DO TRAVIS??? Tem seriados que vcs nao perdem a chance de cala a boca hein me desculpe

  19. Sergio disse:

    Concordo com o post inicial, ressaltando que para atender a um público medíocre (norte americano), ávido por ação sem conteúdo, sacrificou um personagem tão bem construído nas duas primeiras temporadas. Lamentável.

  20. oi disse:

    Não concordo 100% com sua review. De fato, houve furos no roteiro e que não deram para engolir (principalmente do parque e do aeroporto), mas eu estou gostando do rumo que tudo está tomando, de fato, finalmente saímos da mesmice de sempre de todas as temporadas de Dexter, em que ele sempre mata o “antagonista” magicamente após tentar matá-lo durante 11 episódios. De fato, essa temporada teve novos ares e eu gostei, é algo novo e um atrativo para série. A série não é mais a mesma, óbvio, mas continua foda e incrível como sempre foi. Posso não gostar mais tanto de Dexter com a mesma intensidade de antes, mas ainda sim amo Dexter e por um lado ficarei feliz e triste pelo fim dessa série. Feliz pelo fato de acabar logo e saber que de fato, a série não vai ser igual a Supernatural que já era para ter acabado há muito tempo e tá ai na televisão só para encher linguiça.
    Agora, algo que eu não entendo é como um ser humano consegue assistir uma série do qual só vê por ver e fazer seu comentário criticando a série da cabeça aos pés. É algo torturante pelo menos para mim assistir algo que eu não goste/não suporto ver.
    Mas, ao todo, o saldo do sétimo ano de Dexter foi positivo, mesmo com tudo, a temporada foi melhor que a 5ª e a 6ª (na minha opinião as piores temporadas). Agora, sobre o amor de Dexter por Hannah achei de fato uma sacada interessante, mesmo que ele saiba que no final ele nunca vai ter alguma companheira para sempre, ele não pode passar a vida dele sozinho, não acham? Isso mostra mais uma vez o processo de humanização de Dexter, ele agora procura uma parceira não para se camuflar (como disse Dexter na 1ª temporada) e sim para não ficar sozinho e a Hannah ao ver dele, é quem ele sempre sonhou, sabe ver o Dexter por completo, não tem medo dele e entende ele.

  21. Vivi Machado disse:

    só uma coisinha.. vc falou que na terceira temporada o dexter só matou o miguel pq ele iria matar a laguerta.. mas o miguel já tinha matado aquela advogada.. então nada de ficar dizendo “eles jogaram no lixo uma regra que o próprio protagonista da série seguiu na 3ª temporada”

  22. 0 raffa disse:

    dexter acabou. ou melhor, acabaram com a série.

  23. Cristiano disse:

    acabei de ver o ultimo episódio da season 7, concordo em alguns pontos na critica o quanto dexter decaiu principalmente em questão dos detalhes, na facilidade de como o protagonista entra em lugares, ataca suas vitimas em lugares publicos, parques, marinas (onde geralmente há cameras monitorando), nada foi bem planejado como de costume pelo dexter, fez parecer que ele ficou amador.

    Mas gostei da reviravolta, tudo o que aconteceu nessa temporada pudia ter acontecido na quarta ou na quinta, alguma coisa tinha que mudar, revelações teriam que acontecer para apimentar, senão seria apenas mais uma temporada de enrolação, tanto o começo e o fim foi bastante surpreso, por isso descordo que não foi decepcionante.
    Alguns pontos que você colocou na critica também não tem muito fundamento, o fato de não terem investigado o local da morte do doakes anteriormente foi porque as provas eram concretas que ele seria o suposto BHB, a Laguerta só suspeitou do dexter por causa da lamina encontrada na igreja (meio forçado, mas o autor tinha que ter um motivo) o fato da personagem Deb ter descaracterizado como direta e pé no chão é aceitável pois a mesma ficou abalada com a situação e a “revelação” de ela estar apaixonada pelo dexter não é nenhuma novidade e só ficou no esquecimento porque o dexter estava no momento com a hanna, creio que na próxima temporada deva rolar um relacionamento “estranho” entre os irmãos, o harrison no momento da morte no porto estava dormindo num quarto da festa como a própria jamie a babá falou, e se não me engano no finzinho onde aparece a deb e o dexter andando juntos não era na festa do batista e sim alguma festa publica na rua,a roupa da deb era preta não aparecia sangue é verdade mas também não teve como saber se o abraço na baleada laguerta foi pra ensaguentar o vestido da deb (que por sinal tava linda =p). enfim se não alongassem tanto essa temporada com outros casos superficiais como a máfia russa acho que dexter poderia ter acabado já, espero que a oitava temporada seja a ultima para não ficar muito massante.

  24. Juliano disse:

    Dexter agora faz parte da minha vida. Agora é esperar a 8ª Temporada lendo os livros do autor a quem devemos o nosso agradecimento, Jeff Lindsay. Obrigado por nos ter dado o Dex e a lindíssima Deb.

  25. Bruno Fernandes disse:

    Série é complicado! Não conheço uma que após 3 temporadas não perderam o brilho e o primor, pois se pensarmos bem, levam se anos para fazer um filme e os caras ficam numa pressão querendo fazer 12,13,22 episódios… que se perdem mesmo, Me lembro até de Prison Break, que obra prima que se foi pelo ralo… são tantas pessoal.

  26. Anderson Francelino disse:

    Bem, sei que o post é bem atrasado, mas só consegui terminar de ver ontem… Tks Netflix!!! Em vista do que foi a 6º temporada, essa até foi aceitável. Pelo que foi apontado, acredito que algumas coisas são até justificáveis. Exceção é claro, as ações do Dexter, que realmente parecia invisível. Nenhuma câmera ou pessoa via o que ele fazia. Nem mesmo quando ele pede ajuda de duas crianças (hello!!!) pra pegar o traficante e o nocauteia em plena luz do dia………….. Num parque!!!! A máfia ucraniana parece que foi só pra dizer: Hey, são os caras do 24 Horas que escreveram o roteiro.
    Já quanto a mudança na personalidade e no abandono do código, consegui captar em alguns diálogos dele com o “Pai” o porque ele estava abandonando tudo aquilo. E vamos lá, é evidente que ele mudou depois do Harrison e ele pontua isso bastante.

  27. Lucas Felix disse:

    Concordo

  28. Lucas Felix disse:

    Eu gostei muito. Amo essa série, mas como
    Todas só assisto quando estão encerradas. Assim os detalhes ficam frescos e a gente não morre do coração esperando o
    Próximo episódio ou a próxima temporada. Sou escritor e se tem uma coisa que eu entendo é de construção de personagem. De verdade, acredito que DEXTER teve duas temporadas desnecessárias. Deveria ter terminado na sexta, não sendo aquela a última temporada. Ao longo de quase dez anos, todo e qualquer ser humano se reinventa consciente ou inconscientemente. Não é diferente com um psicopata, ela apenas não deixa de matar. Deb, seguiu um rumo natural. Isso era exatamente o que eu imaginava para ela. Concordo na falta de cuidados, e da precariedade dos detetives. Dex, foi psicopata, serial killer, heroi, anti-herói, justiceiro e na sétima temporada, entrou em colapso. Ele sempre se questionou, sempre quis sentir o que os outros sentiam. A LaGuerta, pediu para morrer e no caso dela, foi a lei do mais forte sobre o mais fraco, matar ou morrer. Sobre a lâmina de sangue que ela achou, também concordo com depoimentos abaixo. Como ela viu aquilo ali? Mas de todas, achei a sétima a mais fraquinha. Os roteiristas pareciam sem propósito só inventando assunto para encher as laudas do roteiro e entreter. Pois, entreteram muito bem. Mas só. Agora resta me ver a última temporada e ver se concordo com a má fama.

Deixe uma resposta

ss