Crítica | How to Get Away With Murder: 1ª temporada

Read Time:3 Minute, 1 Second

howtogetaway

São vários os motivos que podem explicar o sucesso que How To Get Away With Murder conseguiu alcançar em seu primeiro ano na TV. Seja pela narrativa fragmentada (que, se não é original, conseguiu estabelecer um clima de tensão crescente no decorrer dos episódios), pelos personagens fortes (como Wes, Frank, Bonnie e Annalise) ou pela coragem em abordar certos assuntos sem falsos pudores (como a homossexualidade de Connor, tratada de forma absolutamente natural), fato é que a série conseguiu manter-se estável com um roteiro amarrado e conciso, culminando no espetacular season finale que deixou todos os fãs da série estupefatos.

E não é uma tarefa fácil conseguir dar coesão a um roteiro que, em sua maior parte, ia e voltava no tempo (são vários os exemplos de séries que apresentam falhas gigantescas na história por não conseguirem dar conta de tudo aquilo a que se propuseram). Questões menores como o paradeiro do anel de Michaela foram solucionadas de forma orgânica e deram credibilidade aos roteiristas, que mostraram saber muito bem para onde a série se encaminhava desde o seu início.

Além disso, a série fugiu da armadilha dos “casos do dia” que, mesmo presentes em boa parte dos episódios, não deram a sensação, em nenhum momento, de que estávamos assistindo a um filler. Pelo contrário, a história sempre caminhou progressivamente, desenvolvendo os personagens de forma que suas mudanças soaram plausíveis (com exceção de Michaela que, ao recusar o pedido de sua ex-sogra demonstrou uma maturidade repentina que não condiz com o que nos foi passado sobre ela durante os 13 episódios anteriores).

howtogetaway

How to Get Away With Murder tem um ritmo alucinante em seus episódios, onde nenhum minuto é desperdiçado e não há cena plantada ao acaso no roteiro pra encher linguiça, mas se compararmos os episódios anteriores com este season finale, tudo o que vimos antes foi tão rápido quanto uma temporada de Mad Men. Rebecca caindo em contradição, sendo confrontada pelo grupo de Wes, o mistério envolvendo Rudy, tudo o que aconteceu na noite da morte de Lila sendo desvendado e as atitudes questionáveis de Annalise para salvar a própria pele foram sendo enfileiradas cena após cena de modo que não se pôde respirar por 90 minutos.

Ao mesmo tempo, a revelação do assassino de Lila conseguiu a proeza de ser surpreendente sem soar implausível, já que Frank parece realmente ser alguém que tomaria uma atitude dessas (mas por lealdade a Annalise, não a Sam). Resta saber que favor seria esse que Frank devia a Sam para que o mesmo fosse pago com um crime desta magnitude.

Por outro lado, Rebecca – a personagem mais insuportável dos últimos tempos, empatada tecnicamente com Dana Brody (Homeland) – não apenas foi “desmascarada” pelo grupo como sofreu as consequências por continuar mentindo sobre sua possível participação na morte da garota. E seu homicídio deve apertar ainda mais a aliança já fragilizada entre Wes, Michaela, Laurel, Connor e Annalise, ainda mais porque também não sabemos qual deles cometeu o novo crime (não se pode excluir Frank e Bonnie). Curioso notar que Asher continua sendo o único integrante a desconhecer toda a história pela qual todos passaram a respeito da morte de Sam, e isso pode não ser ao acaso, já que, num possível processo judicial, ele seria o único apto a advogar, já que está de fora dos acontecimentos. E os desdobramentos desse novo crime que interliga os personagens deverão render mais uma excelente temporada dessa que se confirmou como uma das melhores estreias da última fall season.

5star

How to Get Away With Murder é exibida no Brasil dublada pelo canal Sony e com reprises legendadas.

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

7 thoughts on “Crítica | How to Get Away With Murder: 1ª temporada

  1. Confesso que eu esperava que a bonnie tivesse matado Lila :S Mas Frank tbm não foi uma má ideia e ao que deu a entender é que ele ainda vai matar um bocadinho de gente. Shondaland, uma verdadeira Disney World de séries.. diversão pra toda hora.

  2. Certamente o detalhe do anel da Michaela foi uma cena muito boa, ótimo desenrolar do “mistério”. Essa série é fantástica! Ansioso pela segunda temporada já. Veeeem Viola <3

  3. Nossa acabei de ver o último episódio e confesso mesmo não suportando a Rebecca não queria que ela tivesse tido o mesmo fim de Lila, a série de fato é um acontecimento no meio de tantas séries bobas que existem hoje em dia, espero que a segunda temporada seja melhor que a primeira, pois só assim serei fiel…Há esqueci de fala que desde do primeiro episódio acreditava fielmente ser a Annalise a verdadeira assassina já que sempre demostrou que é a verdadeira vilã sem caráter da história. ..

  4. Desde época de Revenge que uma série não me prendia do início ao fim…que venha a segunda temporada

  5. Cara, parei aqui só porque pesquisei no Google para saber se mais alguém achava a Rebecca insuportável. Ufa! Não é implicância minha. O Wes é outro tão insuportável quanto ela… Aff, pior casal de todos os tempos.

Deixe uma resposta

ss