FOTO: NETFLIX

Por: Bruno Carvalho

Os Defensores falam ao Ligado sobre a série e a união dos heróis!

Em fevereiro estive em Nova York, onde visitei os sets de Os Defensores nos estúdios Marvel, e conversei com o elenco de uma das séries mais aguardadas do ano e que estreou na última sexta na Netflix. Também fui ao México onde tive a oportunidade de conversar com mais alguns deles pouco antes da produção estrear no último dia 18 de agosto.

Finn Jones, o Punho de Ferro, falou sobre o personagem e disse que o principal tema da série é descobrir como essas quatro pessoas que trabalham sozinhas e não confiam nos outros se juntam:

A série tem seus momentos de diversão, pois é uma celebração dos quatro super-herois, é algo explosivo e tem muita química ali. Com Danny você verá em Os Defensores um jovem se tornando adulto e o peso que ele tem de se tornar responsável e fazer as pazes com o seu passado, deixando de ser intempestivo e mais focado com o que está acontecendo ao seu redor.  Danny é um otimista, no geral. Ele tem seus demônios, conflitos e traumas, mas adoro esse lado dele de superação.

Charlie Cox, que interpreta Matt Murdock/Demolidor, entende que essa event series traz mudanças para o personagem:

Nesta série o salto que Matt [Murdock] faz é de abrir a sua mente. Até chegar em Os Defensores ele é muito cabeça-dura, sobretudo quando o assunto é trabalhar com outros e reconhecer a necessidade e o benefício de ter ajuda. Inicialmente ele não tem vontade nenhuma de trabalhar os outros, mas ele rapidamente é forçado a uma situação onde ele acaba tendo que aceitar isso para o bem maior. Isso acaba elevando o espírito dele, pois ele estava numa fase muito sombria.


Leia mais: Um dia nos sets de Os Defensores com a Marvel e a Netflix 


Até a chegada dessas séries, toda produção com super-heróis era focada na trama e nos poderes de cada um. Uma das razões que as séries [do Universo Marvel/Netflix] tiveram esse sucesso, é que depois de 13 horas a gente vê o que esses personagens são capazes de fazer e podemos ir “pra casa” com eles e ver como que eles lidam com o que acabou de acontecer. Pra mim esses são os melhores momento, quando vemos Matt indo pra casa e vemos no seu rosto a dúvida, o questionamento pelo que ele está fazendo. Acho que isso torna essas séries relacionáveis para o público, que é capaz de se ver naquela situação.

Charlie também abordou a questão das expectativas, quando eu perguntei a Finn Jones sobre a receptividade negativa de Punho de Ferro (cuja resposta você pode ler aqui):

É impossível agradar a todos os fãs de quadrinhos com adaptações, pois ao longo de mais de 60 anos os personagens, em especial o Demolidor, mudam bastante. Dependendo da época e de quem está escrevendo, temos também mudanças no tom e no visual. O Demolidor de Stan Lee ou de Brian Michael Bendis é totalmente diferente do Demolidor de Frank Miller ou Jeff Loeb. Tem quem queira ver um Demolidor mais leve e engraçado, outros preferem ele mais sombrio… Então quando eu recebo o roteiro eu volto em todas as versões dos quadrinhos e tento puxar os elementos de cada um que mais encaixam no herói para tentar interpretá-lo da forma mais fidedigna. Esse Matt Murdock é assim. 

Krysten Ritter, nossa querida Jessica Jones, falou sobre a representatividade de heroínas femininas nos universos, ainda mais ante o sucesso de Mulher-Maravilha, disse ela:

O mais legal que a Marvel faz com a personagem, é que em nenhum momento ela é referenciada por ser uma mulher e os outros serem homens. Isso sequer é falado, então acho que o fato de não haver uma cena que estabeleça que “eu sou mulher e vocês são homens”, significa que fizemos um grande progresso, porque não são “três caras e uma garota” lutando; são “quatro super-herois”. O quanto mais a questão de gênero não precisar ser destacada, mais fácil fica fazer progresso em termos de igualdade e por isso temos tantas mulheres importantes e fortes nas séries como Colleen [Wing], Misty [Knight], Claire Temple, Karen Page, Madame Gao, Alexandra, Elektra. É incrível.

Mike Colter também ressaltou as mudanças que Os Defensores traz em seu Luke Cage:

Os Defensores se passa depois dos eventos de Luke Cage, então agora que já conhecem Luke, ele não precisa esconder sua identidade ou ficar receoso de que vão mandá-lo novamente para a cadeia. Ele se torna um Luke Cage mais leve e mais positivo com relação a tudo nessa série.


Crítica: Os Defensores, 1ª temporada


A série traz uma relação mais complexa de Luke com os outros heróis, inclusive o Punho de Ferro, ao contrário do que acontece nos quadrinhos onde a relação entre eles é bem mais cimentada. Como eles se tornaram amigos e aliados é a jornada que mais importa em Os Defensores e estou muito ansioso pra ver como as pessoas reagirão a essa dinâmica.

Questionado sobre a possibilidade de Luke Cage vir a ser o líder do grupo, Colter destaca:

Luke tem as qualidades necessárias para ser o líder do grupo, mas ele prefere liderar através do exemplo, sabendo a hora de falar e a hora de ficar calado quando está trabalhando com o grupo. Mas existe conflito entre os heróis, porque sem conflito não há drama. Cada um faz tudo de um jeito, então quando você põe esses quatro no mesmo lugar, o atrito é inevitável. Quando a série começa cada um está preocupado com lidar e resolver o seu problema, proteger o seu bairro da sua forma. O Luke só pensa no Harlem, mas quando ele enxerga que Nova York está ameaçada é aí que as coisas começam a ficar interessantes.

Ele extrai a seguinte mensagem de Os Defensores:

Essa pra mim é a mensagem da série: que as pessoas parem de se preocupar apenas com o que é seu e passem a preocupar com o bem maior que é de todos, pois tudo está conectado. Os Defensores representa o rompimento do egoísmo. Não vamos lutar contra alienígenas vindos do espaço porque não temos orçamento pra isso, então tudo que acontece na série é “abaixo” das nuvens e isso torna tudo mais real e palpável. O legal é que você consegue ver Os Defensores sem ter visto todas as outras séries, mas como estamos numa plataforma não-linear como a Netflix, se você gostar de algum dos heróis poderá voltar e assistir a série dele caso não tenha assistido, inclusive para pegar mais referências. Queremos que isso aconteça.

Tanto Os Defensores quanto Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro estão disponíveis na Netflix.

ss