FOTO: EMPORIUM CHICAGO

Por: Bruno Carvalho

Bar não autorizado de Stranger Things recebe notificação inusitada da Netflix

Casos de descumprimento de direitos de propriedade intelectual existem aos montes pelo mundo todo. Existem diversas versões do Central Perk de Friends abertas até hoje, lojas, bares e outros estabelecimentos que utilizam de material protegido para ganhar dinheiro e, claro, sem repassar royalties para os detentores.

FOTO: EMPORIUM CHICAGO

Pois bem, dois empresários de Chicago de tentar capitalizar em cima do sucesso da Netflix Stranger Things e abriram um pop-up bar (espécie de estabelecimento que é erguido para funcionar por apenas um período específico) intitulado The Upside Down e totalmente inspirado no drama dos irmãos Duffer. Além do painel com as letras, decoração, logomarcas da série e menções a personagens, o bar servia até drinks com Eggo, a comida favorita de Eleven, personagem de Millie Bobby Brown.

FOTO: EMPORIUM CHICAGO

Tudo, claro, sem autorização da gigante do streaming. Mas em vez de mandar uma notificação judicial padrão (lá fora intitulada “cease and desist order”), algo que se traduziria como uma ordem para encerramento das atividades, o jurídico da Netflix (que até parece alinhado com o marketing) mandou algo bem diferente. Eis a carta:

Danny e Doug, meu walkie-talkie está estragado então precisei enviar essa nota no lugar. Soubemos que vocês lançaram um bar pop-up de Stranger Things no seu estabelecimento na Logan Square. 

Olha, eu não quero que pensem que somos estraga-prazeres, e adoramos o tanto que vocês curtem a série (espere só até ver a 2ª temporada!). Mas a não ser que eu esteja no Mundo Invertido, não nos recordamos de termos feito um acordo com vocês pra esse bar. Vocês obviamente são do tipo criativo, então tenho certeza que vocês entendem o quanto é importante pra nós termos controle sobre como nossos fãs encontram os mundos que nós construímos.

Não vamos dar uma de total Dr. Brenner em cima de vocês, mas pedimos que vocês por favor: (1) não estendam o período do bar além das 6 semanas planejadas terminando em setembro, e (2) contatem a gente para permissão se planejarem fazer algo do tipo de novo. Por favor informem assim que possível se é possível concordar com esses pedidos.

Amamos nossos fãs mais que tudo, mas vocês deveriam saber que o Demogorgon nem sempre é tão complacente assim. Então por favor não nos faça ter que ligar para as suas mães. 

Segundo o site GrubStreet, o bar andava tão lotado que é claro que os empresários já planejavam estender o período de funcionamento do bar temporário, mas essa carta praticamente pôs fim nisso. O The Upside Down bar ficará aberto, então, até o dia 30 de setembro.

Fica aí a lição para ~empresários que querem lucrar em cima da propriedade intelectual alheia.

Stranger Things retorna dia 27 de outubro na Netflix. Assista ao trailer:

  • Andre Dalberto

    Isso sim é que eu chamo de ter um verdadeiro Setor de Marketing !!

  • Vá se [email protected]$%*& com esse papo de “propriedade” intelectual. Quer dizer que você preferiria que o bar cobrasse mais caro por causa do imposto Netflix? Informação não é propriedade, porque o requisito essencial da propriedade é ser “escassa” (ou rival, nos termos de economia), e informação não é escassa.

    As horrendas leis de “propriedade” intelectual, especialmente copyright e patentes, têm que ser abolidas. Só trazem mais injustiça ao mundo, impedem progresso e inovação e favorecem monopólios corporativos. Everything is a remix, google por essa frase! Ou ainda o site question copyright.

  • Nilsson Neres

    Lamento informar, mas se não são as patentes, os pesquisadores não se esforçariam para criar algo novo, muito menos os roteiristas. Já que outras pessoas se beneficiariam de seus trabalhos duros e semanas em claro, em pesquisas e teste. Todo trabalho deve ser valorizado, melhor temos que ter controle sobre tudo que criamos, por isso existe a patente.

  • Rafael

    Você cria algo. Alguém pega o que você criou para ganhar dinheiro com isso sem sua autorização. Certamente você não gostaria.

    Informação não é escassa, concordo. Porém, ainda assim, é justo que, por um tempo LIMITADO (ao contrário das legislações que temos), você tenha direito de exclusividade sobre sua obra. Porque a ausência de direitos autorais é um desincentivo ao desenvolvimento de novas ideias, produtos, etc.

  • Vicki

    Lembrei do Jedi Burger em SP. Acho difícil essa galera querer se fazer de inocente, que não sabe que precisa de autorização pra fazer essas coisas.

  • Marcia Bock Belloube

    Cara… Mentalidade de jacu a sua… Ia gostar se fosse com vc? Usar o que vc criou e desenvolveu sem permissao e lucrar em cima?
    Vc deve ser fiel usuario de livros em .pdf e filmes piratas da internet….

  • Marcia Bock Belloube

    E abrem a loja bem atras do predio onde fica a Disney Co no Brasil… Santa ingenuidade Batman…

  • Eduardo Spitale

    tu so falou merda cara!

  • Gente, que coisa não?

  • Coy Coy

    tem um heisenberg pub em Belém que passa todo dia episodios de breaking bad na tv

  • markueca

    Parabéns pra Netflix que abrodou de forma séria o caso sem ser escrota com os caras, ao contrário de “muitas outras produtoras que estão querendo abrir seus canais de streaming por aí” que simplesmente vetam as coisas sem nem conversar.

  • fegd

    Além de tudo que já falaram, lucrar com a propriedade alheia é desleal com outros bares, imbecil. A marca já ser famosa e querida (em cima do dinheiro alheio de desenvolvimento) te dá uma vantagem indevida sobre seus concorrentes. Não é certo.

ss