FOTO: FX

Por: Bruno Carvalho

A autofagia de Legion

Legion é uma série maravilhosa, tecnicamente impecável e visualmente impactante. Ela também é tematicamente rica, narrativamente densa e estruturalmente complexa. É a Twin Peaks dos herois e quem assiste sabe que isso não é nenhum exagero. É uma das produções mais arrojadas que temos hoje na TV, especialmente considerando que estamos falando essencialmente de um produto com o selo Marvel, notório pela sua popularidade.

Mas Legion não é, nem de longe, uma série popular. Pelo contrário, a cada episódio aparenta que a produção comandada pelo competente Noah Hawley (Fargo) até se esforça para ser mais confusa do que é através de uma lindamente orquestrada junção de simbolismos, sonhos, visões e memórias dos personagens.

Mas assim como David que enfrenta o Rei das Sombras, Legion está prestes a enfrentar seu próprio monstro, o Rei do Cancelamento. Isso porque sua audiência nos EUA está quase batendo o traço. 380.000 pessoas assistiram ao terceiro episódio da segunda temporada (0,16 na demo qualificada). À título de comparação, a 1ª temporada registrou uma audiência média de 900.000 espectadores: número baixo mais ainda três vezes melhor que o atual.

Pra engrossar o caldo de rumores sobre o futuro da série, o canal FX encomendou esta semana às pressas um episódio extra para a 2ª temporada. Intitulado Chapter 19, ele será escrito por Noah Hawley e dirigido por Keith Gordon com a sinopse “Aquele em que David luta com seu futuro”.

Não está claro se esta encomenda é um “prêmio” do canal para a série ou o último prego no caixão da produção. A leitura que se faz diante de números tão baixos é que o FX deu a Legion uma hora extra para que a história seja encerrada propriamente, já que dificilmente a audiência justificaria 10 novos capítulos e uma temporada inteira nesse ritmo.

Fato é que quanto mais imersa em seu universo psicodélico cheio de níveis, camadas, androides andrógenos, múltiplos universos e possibilidades, Legion se distancia do grande público. Há quem sustente ser a melhor série no ar, talvez a melhor que (quase) ninguém assista. Certamente ela se beneficiaria em termos de números se fosse mais palatável e menos conceitual, mas talvez aí não seria Legion.

Veremos o que vem por aí, mas o prognóstico não é nada bom.

Deixe uma resposta

ss