FOTO: ATRESMEDIA

Por: Redação Ligado em Série

Qual sua posição política de acordo com as séries que você ama?

Querido leitor, pare um minuto e reflita: Quais as suas séries preferidas? Parou? Refletiu? Então vamos lá: várias dessas séries escondem ideologias políticas muito claras que são partes fundamentais da trama e de como os personagens se comportam. Aceitar essas ideologias (que muitas vezes são contrárias ao que a gente acredita) é importante para se colocar no papel do outro e aprender. Dê uma olhada no infográfico desenvolvido pelos nossos especialistas de político do Instituto DataSéries (gente, é tudo uma brincadeira, tá?):

Direita na economia e nos costumes:

24 Horas: Como diria a galera dos “direitos humanos”: Jack Bauer reforçou estereótipos contra os chineses, árabes e africanos e depois atirou em todos eles. Se você acha isso bacana e normal, meu amigo(a), você é de direita.

Suits: A explicação é simples: Toda a galera de direita ama essa série. Fora que o nome dela em português é “Homens de Terno” – tem coisa mais playboy? hahaha

Breaking Bad: A história do professor de química que venceu através do individualismo, da meritocracia e das armas é o sonho neoliberal. Em Breaking Bad até CABELO era sinal de fraqueza. Direitona.

Friends: Para os anos 90, os amigos de Nova York eram modernetes, mas hoje em dia eles são homofóbicos, gordofóbicos e racistas. Sem contar que uma xícara de café em Nova York tá custando 80 reais – bando de padrãozinho! Quem é de esquerda não pode apoiar isso!

Direita na economia, esquerda nos costumes:

How I Met Your Mother: A série que copiou Friends fez personagens muito mais cabeça aberta. Eles fumavam maconha e “até tinham” amigos gays.

Grey’s Anatomy: Os médicos do Seattle Grace são de vários gêneros e etnias, mas ninguém quer trabalhar no SUS! Fora que essa série tá na “18ª” temporada e ainda não apareceu UM médico Cubano – como assim? Quer mais uma prova de que Grey’s Anatomy é de direita? Cite UM médico brasileiro que votou no PT!

Westworld: As robôs poderosas e sanguinolentas querem liberdade e um estado mínimo que não controle a vida delas (e elas adoram um porte de armas). Sem contar que essa história de “vida eterna” é uma coisa super da cultura direitista, né?

Big Little Lies: As mulheres ricas se esbaldam no american way of life, com suas casas incríveis e maridos milionários, mas elas tão gradualmente aprendendo o valor da sororidade. Na 2ª temporada, todas as personagens vão ter um canal no YouTube pra falar sobre feminismo e os desafios do processo de transição capilar.

Centrão:

Stranger Things: A série mais isentona da TV é tipo a Marina Silva – todo mundo até pode declarar voto nela, mas ninguém quer.

Esquerda na economia e nos costumes:

La Casa de Papel: É difícil admitir mas essa série criticou o sistema bancário e mostrou a tomada de poder do estado por um grupo de pessoas. Aliás, tem gente que quer BANDIDO MORTO, mas todos os protagonistas aqui são bandidos – ou seja, se você curte La Casa de Papel, não tem desculpa: você é de esquerda.

Game of Thrones: A Khaleesi é praticamente o Lula, pai dos pobres e mother of dragons (os dragões nesse caso são os sindicatos, que botam fogo em tudo). Já o Jon Snow quer quebrar o muro pra deixar os selvagens entrarem no país. Isso sem contar a putaria generalizada dessa série e as mulheres mega empoderadas. EU SÓ ACHO ENGRAÇADO que ninguém defende umas Diretas Já, mas a inclinação política de Game of Thrones é bem evidente. Se você gosta, só pode ser PSOL.

Orange is the New Black: Um monte de mulheres diversificadas questionando a privatização do sistema prisional – mais “direitos humanos” impossível!

Sense8: A série mais liberal do mundo trouxe personagens com super poderes a fim de derrotar um grande vilão: os valores da família.

Esquerda na economia, direita nos costumes:

LOST: A velha história dos imigrantes (nesse caso, os sobreviventes do voo Oceanic 815) que chegam num lugar e querem matar os nativos (os Outros) pra dominar tudo. Isto posto, lembra do LIVE TOGETHER OR DIE ALONE? Tá claro.

The Sopranos: Os mafiosos substituíram o governo capitalista americano dos anos 2000 pra defender os interesses da sua classe. Eles são todos uns machistas-religiosos do caramba? Sim – mas quem curte Sopranos, deve curtir um sindicato.

The Wire: A série que mostra o lado humano dos bandidos deve perturbar quem acha que bandido bom é bandido morto. The Wire é meio autoritária e ressalta a ordem como meio de resolver os problemas – tanto do lado da polícia, como do lado do criminoso.

The Walking Dead: Essa série mostra um grupo de pessoas lutando contra 1) diversas formas de governo autoritárias e 2) os zumbis/manifestoches manipulados pela grande mídia. O recado tá dado. O foda é que é tudo na base da bala (ou do arco-e-flecha).

Em breve a 2ª parte com mais séries! Deixem suas dicas abaixo!

(*) Agradecimentos ao grupo P.Bloqueou.

Deixe uma resposta

ss