FOTO: LIGADO EM SéRIE

Por: Bruno Carvalho

Roku chega ao Brasil almejando popularizar ainda mais o segmento de Smart TVs

Marca relativamente desconhecida dos brasileiros, a Roku é uma das pioneiras na produção e comercialização de set top boxes de streaming na América do Norte, chegando a dominar o segmento que explodiu nesta década. Ela foi uma das primeiras a desenvolver, em conjunto com a própria Netflix, uma caixinha que tornava TVs não-smart preparadas para receber o conteúdo da então novata empresa de streaming e lá fora concorre com os populares Chromecast, Apple TV e Fire Stick.

Hoje a marca que está presente em 1 de cada 3 lares conectados nos EUA desembarca oficialmente no Brasil prometendo “Streaming Para Todos”, mas não trará sua famosa “caixinha”. Afirmando que o país é prioridade para a expansão global da empresa, o chefe de marketing da Roku, Matthew Anderson, comunicou à imprensa uma parceria com a fabricante AOC e lançou dois modelos de Smart TV LED de entrada, num mercado hoje dominado por Samsung, LG e Sony.

FOTO: ROKU

Embarcadas com o software “Roku OS“, os aparelhos começam a ser comercializados nesta quarta-feira (22/01) no país por meio das lojas online do grupo Via Varejo (Ponto Frio, Casas Bahia e Extra) e em fevereiro estará disponível nas demais lojas físicas, ao custo sugerido de R$ 1.200,00 (para o modelo HD 720p de 32”) e R$ 1.600,00 (para o modelo Full HD 1080p de 43”), preços que não necessariamente são mais atrativos em comparação com o que temos no mercado para estas configurações. Além disso, não há modelos com tecnologia 4K ou HDR, sistemas de som avançados (como Dolby) ou em tamanhos maiores. Veja o vídeo de lançamento:

Testei o Roku OS, que se assemelha bastante à interface do Fire Stick TV da Amazon. Com navegação simplificada, o menu principal dá destaque para as plataformas de streaming principais: Netflix, Apple TV+, HBO GO, Spotify, Dazn, Looke, Playkids e Globoplay, sendo esta última que fechou uma parceria com a Roku que não foi detalhada muito bem como funcionará, já que o proprietário da TV terá que assinar o serviço de forma independente como já é feito em qualquer televisor smart ou set top box do mercado. O Prime Video não está no lineup dos principais serviços de streaming oferecidos pelo Roku OS no lançamento, mas prometeram adicioná-lo “em breve”.

FOTO: ROKU

Os diferenciais que a Roku TV diz possuir são uma interface simplificada no sistema operacional, controle remoto com atalhos para alguns dos principais serviços de streaming (há botões dedicados para Netflix, Globoplay, Google Play e HBO GO), opção de controle via aplicativo para celular e uma loja de canais “aberta” onde basicamente qualquer empresa pode “plugar” um canal de forma fácil e veiculá-lo. O Roku tem mais de 5.000 canais disponíveis, entre conteúdos pagos e gratuitos (pesquise por eles aqui). De fato a navegação é simples e as opções de customização são básicas, como reordenar os ícones dos serviços adicionados.

Difícil antever se as Roku TVs se tornarão tão populares quanto almejam as empresas, pois não faltam opções de entrada neste concorrido mercado. É positivo, no entanto, que com mais competição os preços de aparelhos no geral tendem a diminuir, ainda mais com o reforço de um grande player como a AOC, que hoje domina o mercado de monitores. Senti falta, porém, de modelos com tecnologia mais avançada neste portfólio, para realmente fazer frente com TVs 4K HDR e em tamanhos maiores, que estão cada vez mais baratas.

Abaixo o recado do CMO da Roku para os brasileiros:

Os comentários estão desativados.

ss